O Menu é perspicaz e crítico 

Por mais cativante que seja a personagem de Anya Taylor-Joy, é Ralph Fiennes quem rouba a cena aqui!

Existem filmes que se utilizam do conjunto da obra para exemplificar as críticas que estão sendo colocadas na narrativa. No entanto, a maioria deles se perde no caminho e acaba virando um rascunho do que queriam reprovar, sem equilíbrio entre mostrar uma problemática e ser ela, o que ainda bem, não é o caso de O Menu.

No filme, Margot é convidada por Tyler para conhecer um dos restaurantes mais exclusivos do mundo. Chamada às pressas pelo rapaz, após o término de seu relacionamento pouco antes do evento, nossa protagonista logo percebe que aquele não é o seu lugar.

O restaurante fica em uma ilha, e as coisas começam a se mostrar estranhas quando assim que desembarcam, o meio de transporte vai embora, deixando todos os clientes autointitulados especiais, como um astro de cinema, funcionários do mercado financeiro, uma crítica gastronômica e um casal milionário, à mercê do famoso chefe Slowik.

Em meio a um show de beleza proporcionado pelos mais finos preparos, vai se criando uma grande tensão no filme e em seus espectadores, principalmente, quando a experiência de Margot se torna mais vívida e ultrapassa o fator gastronômico, se transformando em um jogo pela sobrevivência.

O Menu tem notas de terror, suspense e muitas críticas a indústria criativa no geral, que enlata processos e transforma o que é bom e popular em algo a ser rejeitado, faz a busca por mais ser tortuosa, nunca satisfatória. E por mais cativante que seja a personagem de Anya Taylor-Joy, é Ralph Fiennes quem rouba a cena aqui, que nos faz entender as nuances da completa insatisfação.

Slowik é a representação do trabalhador cansado, do prestador de serviço revoltado por ouvir as futilidades dos mais afortunados. E, através do seu talento como chefe, cria uma experiência perspicaz para jogar na cara as grandes falhas causadas pela ganância dos seus clientes e dos espectadores do filme. 

Recomendo fortemente O Menu, que ainda está disponível em algumas salas de cinema, mas também pode ser conferido a partir do dia 18 de janeiro no Star+.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *