Crush é o clichê sáfico que precisávamos

A química de Paige e AJ é daquelas arrebatadoras

No momento em que escrevi sobre Nunca Fui Santa, não esperava que fosse ser arrebatada por outra comédia romântica sáfica, muito menos uma que tivesse o dedinho de Natasha Lyonne no meio, só que agora como produtora.

Crush é um filme produzido pelo Hulu e conta a história de Paige, uma jovem aspirante a artista que é forçada a se juntar à sua equipe de atletismo do ensino médio e, acaba usando isso como uma oportunidade para perseguir a garota por quem nutre uma paixão de longa data. 

Já no início da história sabemos como deve ser seu final, só que isso não é ruim, só nos deixa confortáveis para aproveitar uma jornada de amor e amizade. Aliás, que bom não ver uma história sobre alguém se descobrindo, não que não seja legal, mas já cansou né?!

Paige é bem resolvida com sua sexualidade, sua família e amigos, ou seja, a história é bem leve e foge do clássico trágico dos LGBTQIAP+, ninguém morre e nem mesmo sofre preconceito por ser quem é. Inclusive, boa parte dos protagonistas é queer e foge do padrão hollywoodiano, neste sentido, também temos atores que parecem adolescentes de verdade.

Para terminar, gostaria de falar sobre a química e toda a doçura de Paige e AJ, que são opostas em alguns aspectos, mas descobrem muito em comum através da arte. Espero ver uma sequência deste filme para que possamos assistir mais do relacionamento das duas, talvez na faculdade.

Estou na torcida, mas enquanto não ganhamos uma sequência, assistirei esse filme muitas vezes!

One thought on “Crush é o clichê sáfico que precisávamos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.