Um Lugar Longe Daqui – Nem uma boa atriz salva um roteiro fraco

Um Lugar Longe Daqui é a adaptação de um livro, então, talvez o material de origem seja melhor

Conhecendo a carreira brilhante de Daisy Edgar-Jones, esperava demais de seu novo filme: Um Lugar Longe Daqui, que está disponível na HBO Max. A verdade, que está escrita no título deste texto, é que um roteiro fraco dificulta o destaque de boas atuações, pois Daisy continua impecável, mas sua personagem quase não tem força.

Em Um Lugar Bem Longe Daqui conhecemos Kya, que abandonada por sua família, fica conhecida pelos habitantes de Barkley Cove como a Garota do Pântano. A personagem acaba isolada e aprende a sobreviver sozinha, até que dois moradores da cidade, de personalidades distintas, acabam se apaixonando por ela.

Misturando duas linhas do tempo, vemos seu amadurecimento e o período em que um de seus interesses amorosos é encontrado morto de uma forma misteriosa, sendo Kya, a principal suspeita. No tribunal, nossa protagonista é confrontada e julgada por todos da cidade, não por sua suposta culpa, mas por ser uma excluída.

Mesmo com boa premissa, o filme não passa disso! Tem execução mediana e não nos prende em seu mistério, transformando o final, que poderia ser surpreendente, na única solução plausível para que a obra se alongasse tanto e mostrasse tudo aquilo que não era do nosso interesse.

De bom, salvo as boas ambientações, a atuação de Daisy Edgar-Jones e três personagens coadjuvantes bem legais: o advogado e os donos da venda.

De qualquer forma, Um Lugar Longe Daqui é a adaptação de um livro, então, talvez o material de origem seja melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *